escola estadual julia kubiti

Cidades Históricas Brasileiras – Diamantina – Minas Gerais


vista de diamantina

As cidades do ciclo do ouro em Minas Gerais: Ouro Preto, Mariana, São João del Rey, Tiradentes e Diamantina ainda guardam seu aspecto colonial, no traçado das vias e nos edifícios.

arraial do tijuco 1772Planta do “Arraial do Tijuco” atual Diamantina em 1772

Fonte: Arquivo Histórico de Exército, RJ

vista de Diamantinavista atual de Diamantina

Centros de turismo, ainda conservam marcantes traços culturais de seu povo, como é o caso das serestas (Vesperatas) de Diamantina, uma bela mostra do povo mineiro, onde a musicalidade é marcante. As serestas tem se mantido renovadas, com a incorporação de músicos jovens aos conjuntos dos seresteiros. A Prefeitura Municipal passou a organizar as vesperatas, onde os músicos cantam e tocam das sacadas dos prédios para o público nas ruas, invertendo nas noites diamantinas a lógica natural das serestas.

vesperatauma vesperata em Diamantina

foto comprada em uma loja de souvenires em Diamantina, sem crédito de autor

A cidade ocupa uma elevação que é parte do maciço que divide as principais bacias hidrográficas da região: rios São Francisco, Doce e Jequitinhonha, e foi neste local, nas serras de Santo Antônio e São Francisco, que em 1713 foi descoberta uma grande quantidade de ouro. Com o início da exploração do veio, logo foram encontrados os diamantes (1720) e eram tantos que sua exportação para a Europa derrubou os preços da pedra preciosa nos mercados, levando a Coroa Portuguesa a suspender a exploração em 1734, que só foi novamente iniciada em 1739. Apesar dos veios estarem esgotados, ainda hoje a atividade do garimpo continua em Diamantina, podemos encontrar ainda alguns exploradores de bateia em punho trabalhando nos rios, sonhando com o encontro de uma grande pedra.

casas comerciaisaspecto geral das construções

vista de ruaruas irregulares típicas das cidades coloniais brasileiras

passadiço da glóriaDuas construções ligadas por uma ponte fechada e suspensa – o Passadiço da Glória

casa colonial com parte do passadiço da GlóriaUma das casas ligadas pelo Passadiço

muxarabiMuxarabi da Biblioteca Antônio Torres

Foto de José Pessoa

O traçado urbano da cidade, ao contrário da maior parte das cidades coloniais brasileiras do sertão que se assentaram ao longo de caminhos, é concentrado, formando uma mancha compacta, similar as cidades coloniais da costa. Diamantina se constituiu a partir de vários arraiais, como  o “de baixo” (na área do Rosário), o Tijuco (onde hoje se encontra a catedral) e o rio Grande (na área do Burgalhau) gerando uma ocupação triangular mais densamente ocupada, que foi depois denominada de Arraial do Tijuco. Um outro arraial, de ocupação mais rarefeita foi o “dos Forros”, que ocupava a região onde hoje estão as ruas Macau de Cima, de Baixo e do Meio.

diamantinavista da cidade

casa em Diamantinauma casa provavelmente do século 19

casas detalhe do balcãodetalhe do balcão de ferro e da luminária da rua

Só em 1831 a pequena vila recebeu o nome de Diamantina, e em 1833 ela foi alçada ao título de cidade. Em 1845 foi extinto o monopólio imperial do garimpo, e este passou a ser livre. Aos poucos fábricas de tecido foram se instalando na cidade, além de pequenas indústrias de lapidação de diamantes e de fabricação de vinhos. Em 1914, Diamantina era o maior centro urbano da região, mas mesmo assim seu traçado urbano e suas construções permaneceram praticamente intactas.

telhados coloniaisos belos telhados coloniais

Em 1914 a ferrovia chegou à Diamantina, e a cidade passou a crescer no entorno da estação ferroviária. Em 1930 a igreja matriz de Santo Antônio foi demolida, e em seu lugar foi construída a atual catedral a partir de um desenho de José Wasth Rodrigues, estudioso de arquitetura colonial e barroca mineira.

catedrala igreja-matriz de Santo Antônio

Na década de 1950, o governador e depois presidente Juscelino Kubitschek, natural da cidade, implantou uma série de novos equipamentos na cidade, inclusive um hotel, um clube e uma escola projetados por Oscar Niemeyer.

escola estadual julia kubitiEscola Estadual Julia Kubitschek – projeto de Oscar Niemeyer

foto do website crv.educacao.mg.gov.br

Na década de 1970 a ferrovia foi desativada e a estação passou a abrigar o corpo de bombeiros, e a nova direção de expansão da cidade passou a ser em direção à rodovia. Em 1997, depois de uma grande campanha, Diamantina foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

as fotos sem crédito são minhas – ao copiar favor conceder os créditos

12 pensamentos sobre “Cidades Históricas Brasileiras – Diamantina – Minas Gerais

  1. faz 36 anos estive naquela hermosa cidade
    e me enamorei dela e su gente
    paulo rogerio pinto de carvalho

  2. Gostaria de parabenizar pela materia, mais informar que a foto da igreja que se encontra a cima nao é a Matriz de Santo Antonio, e sim a Igreja Nossa Senhora do Carmo, mais conhecida como a Igreja da Chica,. Só para nao ficar mal entendido mesmo.
    Att,
    Sara

  3. A foto da Igreja que aparece ai como igreja matriz de Santo Antônio esta equivocada, essa foto é da Igreja Nossa Senhora do Carmo, a igreja Matriz de Santo Antonio é a Catedral, que não correspode a foto utilizada nesta pagina.
    Att,
    Sara Villela, Turismóloga

  4. neste lugar comecei minha vida como trabalhador
    esta cidade marcou minha vida dai saia estados unidos hoje vivo en espanha tengo um cariño especial por este pequeno lugar saudades destas ruas e los bares e restaurante que frequentei ali en 1972,3 y depois foi embora dali

  5. Obrigada,passear por essas páginas foi um presente de Deus,copiei umas fotos e colei no meu orkut dei-lhe os c´reditos do seu blog magnifíco.Obrigada sou uma simples dona de casa e você me porporcionou um passeio,me deu um presente de Natal,nunca vi nada tão lindo eu adoro ruas antigas,janelas e portas,e aqui teve isso e muito mais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s