Congestionamentos dos infernos/Traffic Jams from Hell


Para os paulistanos poderem dizer: ainda bem que eu não estou no meio dessa bagunça neste momento! 1ª foto foi tirada na janela de um prédio em São Paulo, na esquina da Avenida Juscelino Kubitschek com Faria Lima , seguidas por várias fotos ao redor do mundo, onde uma grande maioria é da Russia.

For the paulistanos (living in São Paulo city) could say: Guy, I am glad I’m not in this mess right now! First picture is taken from the window of a building in São Paulo, Brazil, in the corner of Juscelino Kubitschek and Faria Lima Avenues, followed by various location around the world, with Russia featured quite prominently.


(image credit: Glommer’s Mind)


Bucareste, Rômenia / Bucharest, Romania

Aqui o clássico congestionamento que aterrorizou a rua Sadovoye Koltzo em Moscou em Outubro de 2007

Here is the classic traffic jam that terrorized Moscow Sadovoye Koltzo (ring road) in October 2007


E continuou durante a noite

Continuing well into the night


(images credit: Anton Nossik)

(original unknown)

2 pensamentos sobre “Congestionamentos dos infernos/Traffic Jams from Hell

  1. Anjinho desculpe-me só responder agora mas os últimos dias estão louquíssimos. Amiga perdoa, né não!?
    O que me lembra na verdade não é o livro do Loyola Brandão, mas o do Julio Cortazar, 64 modelo para armar. Também ocorre um engarrafamento monstro e as pessoas começam a construir vidas entre seus carros e o dos outros, dividindo comidas, bebidas, brigas e afetos. Mas São Paulo vai bem por aí eu acho.

  2. Não parece aquele trecho do “Não verás país nenhum” de Ignácio Loyola Brandão?
    Pra quem não lembrar, neste livro que apresenta um caos ambiental não existem mais rios, , não mais água, as pessoas são totalmente controladas, não há livre circulação e a polícia é extremamente repressora.
    Na narrativa se fala ás vezes num tal “grande engarrafamento” que foi um fato da história dopaís. Até que alguém descreve para nós leitores o que foi o grande engarrafamento. Foi assim como estes aí das fotos, só que se estendeu tanto em área e demorou tantos dias que as pessoas abandoram os carros e foram embora, e os carros ficaram lá “pra sempre”, como nos finais dos contos de fada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s